HIV

Disfunção endocrinológica em pacientes com HIV

O HIV é o vírus da imunodeficiência humana. Conhecido por ser o causador da aids, ele ataca o sistema imunológico e deixa o indivíduo mais vulnerável ao desenvolvimento de doenças, já que as defesas do corpo ficam comprometidas.

A aids é uma doença crônica para a qual, até o momento, não há cura. Porém, ela pode ser tratada com retrovirais que melhoram a qualidade de vida dos pacientes, apesar da gravidade do problema.

A infecção por HIV gera muitas consequências sociais e para a saúde do paciente. Para a saúde, os prejuízos estão relacionados ao impacto negativo na capacidade que o organismo tem de lutar contra a tuberculose, pneumonia e outras enfermidades. Além disso, tal vírus pode gerar alterações significativas no sistema endócrino. Descubra mais a seguir sobre a disfunção endocrinológica em pacientes com o vírus.

Por que o HIV interfere no sistema endócrino?

Porque ele é um vírus capaz de se fundir às células do hospedeiro, no caso, o ser humano. Esse microrganismo se integra profundamente ao DNA do paciente e pode replicar-se repetidamente, o que aumenta as chances de abalar por completo o sistema endócrino.

De modo geral, todas as glândulas endócrinas do corpo podem ser afetadas por esse vírus ou, até mesmo, pelo tratamento com antirretrovirais, provocando, assim, mudanças expressivas no funcionamento do hipotálamo ou da glândula hipófise.

Quais são as principais disfunções endocrinológicas?

Alterações na glândula hipófise

Esta glândula, situada na base do cérebro, é responsável por regular a secreção de outros hormônios, como o do crescimento, o luteinizante, o folículo-estimulante, o tireotrófico, a prolactina, o antidiurético, a ocitocina, etc.

Alterações na glândula tireoide

A glândula tireoide  está situada na região do pescoço. Seu principal papel no organismo é produzir os hormônios tireoidianos T3 e T4. A tireoide interfere no funcionamento de múltiplos órgãos, estimulando diferentes funções. Os hormônios  tireoidianos funcionam como uma espécie de combustível natural para o corpo. Eles têm relação com batimentos cardíacos, digestão, humor, temperatura corporal, memória, atividade cognitiva, etc.

Alterações nas glândulas adrenais

Se tratam de duas glândulas endócrinas localizadas na cavidade abdominal. Elas têm a função de secretar hormônios importantes para o organismo, regulando o metabolismo da glicose, promovendo o balanceamento de sódio e potássio, sintetizando o cortisol e excretando hormônios sexuais, como a testosterona.

Outras alterações endócrinas

O HIV pode desencadear alterações endócrinas nos ovários, tornando a menstruação irregular. Também pode haver disfunções no testículo, o que pode reduzir a libido, diminuir a produção de espermatozoides, aumentar o volume mamário e ocasionar queda nos níveis de testosterona no indivíduo. Para completar, o vírus pode provocar alterações no metabolismo ósseo, no tecido adiposo e no metabolismo de lipídeos e glicídeos. Pacientes com esse agente no organismo são mais propensos à diminuição da massa óssea, ao acúmulo de gordura abdominal, à elevação nas taxas de LDL (mau colesterol) e glicose.

Quais são as consequências da disfunção endocrinológica?

A infecção pelo vírus HIV pode diminuir a secreção de hormônios essenciais para o organismo, gerando anormalidades funcionais em diversas glândulas. É comum que a função da glândula tireoide sofra danos diretos, resultando em hipertireoidismo ou hipotireoidismo.

As glândulas adrenais também sofrem. Especificamente nesse caso, há a diminuição total ou parcial da produção de aldosterona, cortisol e androgênios adrenais.

Quais são os sintomas produzidos pelas alterações endócrinas?

A disfunção endocrinológica, em decorrência de HIV, pode produzir manifestações físicas, como dor abdominal, fraqueza, náuseas, vômitos, redução da libido, hipotensão postural, mudanças nos padrões menstruais, etc. Esses são sintomas comuns na insuficiência adrenal, uma condição que deve ser tratada imediatamente, para se evitarem as complicações.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como  endocrinologista no Rio de Janeiro!

 

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp