andropausa

Tudo o que você precisa saber sobre a andropausa

A menopausa, final do período fértil feminino, faz boa parte de nossas discussão por marcar o fim de uma época, mas também por causar uma série de alterações de humor, problemas hormonais e, às vezes, modificações corporais um tanto quanto extremas. A andropausa, “versão masculina” da menopausa, tem muito menos espaço na nossa literatura médica.

Por acreditar que é necessário dar visibilidade a essa questão, preparei um artigo com algumas explicações sobre este fato, suas causas e também algumas formas de tratamento. É possível atenuar diversos incômodos com acompanhamento clínico de qualidade. Vamos ver mais sobre isso abaixo.

O que é a andropausa?

A partir dos cinquenta anos, não é incomum que os homens sofram com a diminuição dos níveis de testosterona e, com isso, com a perda da libido e da diminuição da energia.

Homens que estão passando pela andropausa experimentam uma diminuição do desejo sexual, têm mais dificuldade para sustentar uma ereção e tornam-se menos férteis. Assim como na menopausa, é possível que haja aumento da gordura corporal, perda de massa muscular e diminuição da densidade óssea.

Na parte emocional, podemos citar problemas como: insônia ou sonolência excessiva, fadiga, sentimentos de tristeza ou angústia, perda de autoconfiança ou problemas de autoestima, dificuldade de concentração.

E isso não é tudo. De acordo com um artigo publicado pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, estudos mostram que o declínio na produção de testosterona pode gerar também doenças de ordem cardíaca. Como podemos ver, este não é um assunto a ser ignorado – embora saibamos que, por pressão social, diversos homens têm dificuldade de buscar ajuda em casos de impotência sexual, depressão ou similares.

Como lidar com a andropausa?

Embora não seja agradável passar por situações de oscilação hormonal ou sentimental, é possível diminuir o impacto desta fase com alguns cuidados até bastante simples.

Um exame de sangue pode informar ao médico se o paciente está com níveis de testosterona baixos, por exemplo. Após este diagnóstico, o especialista pode sugerir um acompanhamento personalizado, de acordo com o quadro do paciente. Reposição hormonal pode ser feita em casos específicos, mas não é uma terapia recomendada para todos os homens.

Em geral, os indivíduos afetados podem atenuar o mal-estar com uma dieta rica em frutas, verduras e legumes, além de proteínas magras, com a prática de atividade física e, às vezes, com o auxílio de medicação. Como sempre, não é recomendada a utilização indiscriminada de medicamentos: tentar “recuperar” a libido com remédios, por exemplo, pode ter um efeito bastante danoso ao corpo e gerar consequências bastante desagradáveis.

Uma vez que falamos sobre o abuso de substâncias químicas, vale um último adendo: hábitos como o alcoolismo e o tabagismo também afetam o bem estar dos indivíduos, pioram quadros de estresse, afetam o sono e podem acelerar o processo da andropausa (ou mesmo engatilhá-lo).

Uma vida longa e saudável começa pelo controle de vícios e de atitudes que afetam o corpo de dentro para fora. Pense nisso!

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como

endocrinologista no Rio de Janeiro!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp