andropausa

Mitos e verdades sobre a andropausa

A andropausa caracteriza a queda dos níveis de testosterona (hormônio sexual) no homem, à medida em que se aproxima a maturidade. O termo foi criado em analogia à menopausa, última menstruação que indica a interrupção da vida fértil das mulheres. O termo masculino, no entanto, se difere totalmente dela.

Na menopausa, a queda de hormônios femininos (estrogênio e progesterona) ocorre de forma abrupta, trazendo os sintomas do climatério. Nos homens, a diminuição da testosterona ocorre de forma mais leve e gradual.

Existem muitos mitos em torno deste assunto. Quer entender melhor sobre a andropausa e suas consequências para o organismo masculino? Então, continue conosco nessa leitura!

Todos os homens passam pela andropausa

É fato que todas as mulheres em idade madura passarão pela menopausa. Entretanto, nem todos os homens serão atingidos pela andropausa.

Apesar da queda gradual da testosterona, ao longo dos anos, ela ocorre de forma mais lenta. Na maioria das vezes, a baixa do hormônio não causa impactos significativos na vida do homem. Muitos passam por essa fase sem nem perceber.

Mesmo tendo sofrido uma queda hormonal, homens mais velhos podem, sim, apresentar níveis de testosterona correspondentes à normalidade. Por isso, a maior parte deles consegue passar pela fase sem sintomas que prejudiquem seu bem-estar. Isso só ocorre em casos de oscilações maiores do hormônio.

Após a andropausa, o homem se torna impotente sexualmente e infértil

A andropausa pode estar associada à impotência sexual masculina. Isso ocorre porque a testosterona tem um papel importante na ereção peniana e nos níveis de libido do homem. No entanto, queda desse hormônio não necessariamente causa a impotência. 

Todavia, não é por ter uma libido mais baixa, ou menores chances de ter ereções espontâneas, que o homem se torna infértil. A produção de espermatozoides perdura por toda a vida, apesar de reduzida pela queda hormonal.

A reposição de testosterona ajuda a amenizar os sintomas

Verdade desde que os sintomas estejam realmente relacionados a níveis baixos de testosterona ( hipogonadismo). Um tratamento de reposição hormonal precisa ser avaliado de acordo com o histórico clínico do paciente, junto a um profissional. Além de avaliar os riscos, e se o homem pode ou não receber essas dosagens esporádicas de hormônio, a quantidade e a forma a ser administrada deve ser indicada e acompanhada por um médico.

Exercícios físicos mantêm os níveis de testosterona estáveis

Todos nós sabemos que uma rotina de exercícios físicos é essencial para o bem-estar do corpo e da alma de qualquer pessoa. Mas, o ponto é: será que a prática pode prevenir ou até mesmo remediar a andropausa?

A resposta é: depende. O acompanhamento médico é sempre necessário. A produção de testosterona pode ser estimulada por exercícios específicos de musculação ou aeróbicos de alta intensidade e curta duração. No entanto, se feitos de forma incorreta e sem supervisão eles podem trazer impactos negativos e desequilibrar ainda mais os níveis do hormônio durante a andropausa.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como endocrinologista no Rio de Janeiro!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp